Controle emocional: 6 dicas práticas para exercitá-lo.

imagem Como pedir feedback para um liderado final

Entender sobre controle emocional é fundamental para saber gerir o negócio da forma correta, visto que esse fator mexe com todo o ambiente organizacional. Dessa forma, é imprescindível que você tenha um autoconhecimento das suas emoções para saber lidar da melhor forma possível com as situações que acontecem dentro e fora da empresa que faz parte.

Quer entender melhor sobre controle emocional? Então continue a leitura do artigo e aprenda mais sobre o tema! Vamos lá?

O que é o controle emocional?

Sabe quando você briga com um familiar e mesmo assim consegue fazer suas atividades diárias da melhor forma possível? Isso é um exemplo de controle emocional. Nesse sentido, a pessoa consegue compreender e administrar melhor as suas emoções e sentimentos para evitar que os problemas do dia a dia afetem sua vida.

Contudo, isso não significa dizer que passará a ser uma pessoa fria e que não liga para nada. Essa habilidade não está relacionada a ignorar os sentimentos, mas em saber lidar com cada situação que acontece no seu cotidiano para não deixar que a angústia, por exemplo, interfira na produtividade do seu trabalho.

Nesse sentido, você não deixa de ter um problema, mas sabe exatamente o momento certo de dar atenção a ele, sem permitir que uma área da sua vida interfira na outra, já que todos passam por dificuldades. Entretanto, é preciso que se tenha o controle das emoções e dos pensamentos para que não fique estagnado no tempo.

Contudo, ter esse controle não é uma tarefa fácil, visto que precisa ser trabalhado dia após dia, com técnicas e exercícios que o ajudem a melhorar o lado emocional. Dessa forma, o profissional consegue inúmeros benefícios para sua vida pessoal e profissional.

Qual a sua importância?

Quando temos um controle emocional, fica mais fácil lidarmos com nervosismo, frustração, tristeza e ansiedade. O que torna um fator de extrema importância garantir o bem-estar e felicidade da nossa vida, ao evitar que se adquira transtornos mentais, por exemplo. Nesse sentido, é possível evitar depressão e mudanças bruscas de humor.

Saber administrar os sentimentos também é fundamental para ter mais empatia pelas pessoas, ou seja, conseguir se colocar no lugar dos outros indivíduos e entender as ‘dores’ e frustrações dos colegas de trabalhos e familiares. É aquela velho ditado: ‘não fazer com o outro aquilo que eu não queria que fizessem comigo’.

Quando aprendemos a lidar positivamente com essas situações, passamos a ter mais qualidade de vida. Além de conseguir melhorar nossa inteligência emocional, no qual ajuda a nos expressamos de forma mais construtiva e clara.

Dessa forma, a tomada de decisão fica cada vez mais objetiva, pois não se age com impulso. O indivíduo consegue ter consciência do momento certo de falar e de calar. Com isso, garante maior credibilidade no ambiente organizacional ao evitar desentendimentos entre a equipe.

O que acontece quando não se tem controle emocional?

Agora que já vimos a importância do controle emocional para nossa vida, é interessante que tenhamos o conhecimento da ausência desse fator no nosso cotidiano. Por isso confira, a seguir, algumas dessas desvantagens.

Baixa produtividade no ambiente de trabalho

Já pensou quantas vezes você vai trabalhar, mas não tem aquela motivação? Seja porque brigou com alguém, está com um parente doente em casa ou até mesmo não conseguiu ter uma boa noite de sono.

Todos esses fatores implicam na baixa produtividade no ambiente de trabalho, além de demonstrar que o indivíduo não tem o controle emocional sobre as adversidades do seu dia a dia.

Mau humor

Diante de tantos problemas que surgem durante a semana, seja em casa ou no trabalho, é muito provável que se pegue de mau humor, em diversas situações. É chefe que não entende o que você falou, é a equipe que não bate a meta etc. Essas e outras situações tendem a influenciar diretamente a sua forma de se relacionar com as outras pessoas. 

O mau humor traz desentendimentos na empresa que faz parte, pois quando uma pessoa se estressa, ela contamina os outros colaboradores e deixa um clima desconfortável entre todos os profissionais que fazem parte do empreendimento.

Desmotivação da equipe

Quando um chefe não tem o controle das suas emoções, ele não consegue fazer com que sua equipe produza de forma significativa, visto que todos passam a temê-lo em vez de respeitar. Nesse sentido, o gestor tende a colocar a culpa de todas as falhas nos seus colaboradores, sem entender que todos fazem parte de uma equipe que precisa de ajuda mútua.

Dessa forma, quando o gestor começa a reclamar demais e passa a exigir o cumprimento de metas que são inatingíveis, a equipe tende a ficar desmotivada. O que acarreta em inúmeros prejuízos para o negócio, como a queda das vendas e funcionários deprimidos.

Sentimento de culpa

A falta do controle emocional também tende a levar um grande sentimento de culpa nos profissionais. Isso porque, quando ele se vê cheio de demandas para cumprir em um curto espaço de tempo, o indivíduo começa a se sentir fracassado. Com isso, ele passa a ter uma visão distorcida de sua vida, como se não fosse capaz de realizar nenhuma atividade com êxito.

Além disso, ele passa a se sentir impotente e não tem coragem de seguir em frente. É como se ele tivesse um bloqueio mental para cumprir qualquer demanda. O que pode causar sérios problemas na saúde mental no trabalho.

Como ter mais controle emocional?

Para ter mais controle emocional, é preciso saber o limite de cada ação sua. Ou seja, se algo incomoda, pense duas vezes antes de dar uma resposta ‘na lata’, visto que isso pode gerar prejuízos para você e para a pessoa na qual se reporta. Isso evita que sejamos ansiosos com as situações que acontecem no dia a dia, além de diminuir a falta de compreensão quando estivermos em momentos de estresse.

Para evitar que se caia em depressão com algum feedback negativo, seja de quem for, busque pensar se você realmente merece estar ouvindo aquilo, provavelmente, sua resposta será ‘não’. Isso o ajuda a buscar o seu melhoramento espiritual consigo mesmo. Da mesma forma que é possível evitar que as energias negativas das outras pessoas interfiram no seu bem-estar.

É importante pensar que todos têm problemas e dificuldades e que a vida é uma ‘caixinha de surpresas’. Por isso, existem dias em que é difícil controlar as emoções, mas quando pensar que não dá para lidar com uma determinada situação, busque novas possibilidades de ação e pense ‘o que posso fazer de diferente?’

Essa simples pergunta pode ajudá-lo a encontrar novas habilidades, encontrando assim a melhor solução para seu problema e agir da melhor maneira possível.

Quais as melhores práticas para exercitar esse controle?

É chegada a hora de exercitar o controle emocional para conseguir ter uma vida mais leve com uma liderança positiva, na qual é possível gerenciar a empresa de forma bem mais produtiva. Então, para entender as melhores práticas para o seu dia a dia, confira essas quatro dicas!

1. O que fazer quando está estressado

O estresse é algo que afeta, diretamente, nossas relações no ambiente de trabalho e em casa. Quando se está com a ‘cabeça quente’ a probabilidade de fazermos algo que faça nos arrepender depois é grande, visto que isso pode causar prejuízos que geram impactos significativos na vida de uma pessoa, como é o caso de uma demissão.

Nesse sentido, é importante que, quando passar por uma situação de grande estresse, procure sair um pouco do local de conflito. Ou seja, reserve-se e escute uma música tranquila, busque pensar em outras coisas que o façam feliz. Isso o ajudará a acalmar os ânimos. Quando você sentir que está mais tranquilo, aí é possível voltar ao local e tomar uma decisão.

2. Ter o autoconhecimento

Quando se tem o autoconhecimento, torna-se mais fácil o controle das emoções. Isso porque o indivíduo saberá exatamente os pontos que mais tende a falhar e aqueles que os ajudam a progredir como indivíduo e profissional.

Dessa forma, para conseguir atingir esse objetivo, é fundamental parar um pouco para refletir e entender sobre quais são suas potencialidades, crenças fundamentais e características marcantes, além de ter conhecimento sobre os seus próprios limites. Com isso, é possível entender melhor quais são os seus objetivos, valores e anseios de vida ao manter o controle da saúde mental.

3. Aprender a lidar com sentimentos negativos

Ter sentimentos negativos é algo que tende a gerar um grande impacto na vida das pessoas, pois muitos indivíduos não sabem lidar com tristeza, rancor, raiva, inveja e frustração. Isso pode levar as pessoas a se sentirem impotentes.

Nesse sentido, é importante saber que não existe uma fórmula mágica para não sentir essas sensações. Entretanto, é possível controlá-las e evitar que o problema se torne maior do que ele realmente é. Para isso, busque organizar seus anseios de uma forma positiva. Isso o ajudará a saber como proceder em momentos difíceis.

Um exemplo do que estamos falando é quando você fica irritado com sua equipe ou com o chefe por alguma atitude que não o agradou. Isso o leva a ficar com sentimentos e pensamentos ruins, que o fazem ficar ainda mais deprimido. Contudo, para sanar a angústia, você pode convidar essas pessoas para uma conversa amigável, em que cada um expõe o seu ponto de vista, com o objetivo de conseguir resolver o problema que os afligem.

4. Respeitar seus limites

Respeitar os limites significa que você deve ter o entendimento de onde é o seu ponto de equilíbrio. Ou seja, o momento até onde é possível chegar em determinada situação específica, sem trazer prejuízos para as pessoas que o cercam.

Esse fator só é possível de ser realizado após saber lidar com as situações que citamos anteriormente. Isso porque, para respeitar os seus limites, é necessário ter o autoconhecimento dos sentimentos que o levam a tomar decisões ruins. Dessa forma, esse ponto é fundamental para que sejam evitados possíveis arrependimentos por ter falado algo em um momento de muita emoção e estresse.

5. Fazer exercícios físicos

Os exercícios físicos são uma ótima forma de controlar as emoções diante das situações do cotidiano. Eles ajudam a manter o equilíbrio entre a mente e o corpo. Isso acontece pelo fato do organismo liberar substâncias, como a endorfina, dopamina e serotonina, que nos levam a sentir mais satisfação, motivação e disposição.

Exemplos de atividade física que tem o forte poder de relaxamento e bem-estar para nossa saúde física e mental são as artes marciais, que tendem a promover uma reorientação das emoções, além da autodisciplina.

6. Trabalhar a respiração

A pressão do dia a dia tende a nos levar a ter uma vida bastante corrida, não é mesmo? São metas que precisam ser cumpridas em pouco tempo, os salários dos funcionários que precisa ser reajustado etc. Entretanto, saiba que é possível dar uma desacelerada nessas emoções ao trabalharmos a respiração de forma efetiva em nosso cotidiano.

Para que isso seja possível, quando tiver em um momento de estresse, busque se deslocar para um local reservado e faça uma meditação: esvazie seus pensamentos e inspire e expire o ar lentamente. Ao fazer isso de maneira contínua, você se sentirá mais calmo e preparado para encontrar as melhores soluções para os problemas que surgirem no ambiente corporativo.

Ao tomar conhecimento da importância do controle emocional para sua vida, não deixe de praticá-lo no dia a dia para garantir êxito em suas atividades e melhorar o clima organizacional do empreendimento.

Por isso, não se esqueça de realizar as dicas que apresentamos quando estiver em situação de estresse. Além de, sempre que possível, realizar o autoconhecimento, fazer exercícios físicos, respeitar os seus limites e trabalhar a respiração principalmente.

Gostou do nosso artigo sobre a importância do controle emocional? Então, que tal descobrir se um líder coach pode melhorar os resultados do seu time? Garantimos que não vai se arrepender! Boa leitura!

Deixe uma resposta